Home Artigos Porque o desenho é importante em nossas vidas

Porque o desenho é importante em nossas vidas

Querendo ou não, nossa vida nos leva a tomar constantes decisões nas quais acabamos deixando de lado as emoções, intuição, criatividade, a capacidade de ousar soluções diferentes e de ver o mundo sob um olhar diferente. Tal atitude deve-se ao fato de que fomos condicionados, assim como a maioria das pessoas, a pensar e agir com base num raciocínio lógico, linear e seqüencial.

Utilizamos mais o hemisfério esquerdo do cérebro, o qual é considerado o racional, enquanto deixamos o hemisfério direito, emocional, atrofiar, fazendo-nos perder ou pouco usufruir dos benefícios contidos nele, como a imaginação criativa, a serenidade, visão global, facilidade de memorização, dentre outras habilidades. E desta forma, agimos assim com nossos alunos, ensinando com este pensamento, não permitindo que eles ousem e que busquem olhar o mundo de uma nova forma.

De acordo com Montenegro (2004), a criatividade pode ser definida como o somatório da imaginação, realização, expressão e construção. A infância é considerada por todos uma fase feliz. Nesse momento se criam novos mundos a partir de desenhos ou de modelagem plástica. Seguem-se a evolução natural e a criança passa pela adolescência e transforma-se em adulto. Aí muita gente descobre que perdeu a disposição para criar, que não é mais criança (nota-se a semelhança das palavras criação e criança). Porém, ninguém observa que, se a disposição foi perdida, a capacidade de criar permanece! Muito se fala da necessidade de desenvolver a criatividade e de utilizar soluções criativas, mas poucos dizem como fazer este desenvolvimento.

O presente artigo apresenta como o desenho pode contribuir no processo ensino aprendizagem de crianças, estimulando a criatividade e a liberdade de pensar. O desenho pode ser uma ferramenta muito importante neste processo, sendo ele um motivador na aprendizagem. É apresentada uma experiência com crianças do primeiro ciclo, com o objetivo de ter acesso ao lado direito do cérebro uma atividade simples é proposta, utilizando o desenho de observação, levando-as a um momento de relaxamento e desbloqueio onde cada uma pode manifestar-se livremente, de acordo com sua visão de mundo e imaginação. “A educação artística deve ser, antes de tudo, a educação da espontaneidade estética e da capacidade de criação que a criança, desde pequena já manifesta.

Ela não pode, menos ainda que qualquer outra forma de educação, se contentar com a transmissão e a aceitação passiva de um ideal completamente elaborado: a beleza, como a verdade, não vale senão quando recriada pela pessoa que a conquista” (Jean Piaget). O desenho é a primeira representação gráfica utilizada pelas crianças. Desenhar é um ato inteligente de representação que põe forma e sentido ao pensamento e ao conteúdo que foi assimilado.

O desenho é ferramenta essencial do processo de desenvolvimento da criança e não deve ser entendido como uma atividade complementar, ou de divertimento, mas como uma atividade funcional. Ou seja, consiste em usar o desenho como procedimento para sistematização dos conteúdos nas áreas do conhecimento. Vejamos o que diz uma pedagoga a respeito do desenho: “Toda criança desenha. Mesmo que não seja adequadamente instrumentada para tal, a criança pequena quase sempre encontra uma maneira de deixar, nas superfícies, o registro de seus gestos: se não tiver papel, pode ser na terra, na areia, ou até mesmo na parede de casa; se não tiver lápis, serve um pedaço de tijolo, uma pedra, ou uma lasca de carvão.”

Referências

[1] ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual. São Paulo: Pioneira, 1997.

[2] EDWARDS, Betty. Desenhando com o lado direito do cérebro. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

[3] EISENHART, Marlene. O poder da música através dos tempos. Porto Alegre: n° 42, 2000.

[4] FALIGATTER , Ketleen Viviane. BOLETIM, Nº. 23, Junho/2000.

[5] HALLAWELL, Philip. À mão livre – a linguagem do desenho. 9ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1994.

[6] MONTENEGRO, Gildo A. A Invenção do Projeto: a criatividade aplicada ao desenho industrial, arquitetura, comunicação visual. São Paulo: Edgard Blücher, 2004. [7] PCN – Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa (1997). Brasília: MEC/SEF.

Comentários

Comentários

Carregar mais em Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Email Marketing com inteligência Artificial

Inteligência Artificial: +60% nas Taxas de Abertura Inteligência Artificial: Entenda! Os m…